devocional

 

 

 

 

E, quando foi embora, disse: — Eu voltarei, se Deus quiser. (Atos 18.21)

O que Paulo disse aos judeus na sinagoga de Éfeso todo mundo diz, às vezes em respeito à soberania de Deus, e, outras vezes, por mera formalidade. Ele prometeu voltar a Éfeso, mas “se Deus quiser” (18.21).

Essa delicada relação com a oração teria sido ensinada por Jesus: “Que a tua vontade seja feita aqui na terra como é feita no céu” (Mt 6.10). A vontade de Deus é óbvia em muitos casos. Por exemplo, “o que Deus quer de vocês é isto: que sejam completamente dedicados a ele e que fiquem livres da imoralidade” (1Ts 4.3). Mas, em outros casos, ela precisa ser buscada e respeitada.

Paulo levava isso a sério. Além dessa passagem de Atos, em outra ocasião, ele escreve a mesma coisa: “Se o Senhor quiser, eu vou visitá-los logo” (1Co 4.19). Ele está se referindo à necessidade de ir a Corinto. Aos romanos, Paulo confessa que tem um desejo engavetado, não satisfeito por motivos de força maior: “Muitas vezes eu quis visitá-los” e “há muitos anos tenho pensado em ver vocês” (Rm 15.22-24). É um desejo tão forte que ele faz uso da oração: “Peço a Deus que se for da sua vontade, ele faça com que agora eu possa ir visitá-los, pois eu quero muito vê-los, a fim de repartir bênçãos espirituais com vocês para fortalecê-los” (Rm 1.10-11). Paulo também desejou ir a Tessalônica porque tanto os crentes de lá como ele estavam com muita vontade de se encontrar (1Ts 3.6).

Se nessa questão Paulo é o exemplo, Tiago é o teórico. Com sua habitual franqueza, ele ensina: “Vocês nem sabem o que lhes acontecerá amanhã! […] Deveriam dizer: ‘Se o Senhor quiser, viveremos e faremos isto ou aquilo’” (Tg 4.15, NVI).

>> Retirado de Refeições Diárias: no Partir do Pão e na Oração. Editora Ultimato

Anúncios